O efeito Unity: uma análise de mercado de sistemas operacionais

O efeito Unity: uma análise de mercado de sistemas operacionais

Uma particularidade interessante do usuário Linux é a sua curiosidade sobre estatísticas de uso de sua distribuição favorita, e do próprio pinguim, no mercado de sistemas operacionais. Enquanto o “ano do Linux no desktop” não chega, os usuários do sistema do pinguim seguem observando os números na esperança de alcançar uma fatia mínima de mercado que implique no aumento de interesse, reconhecimento e de respeito em relação ao Linux por parte dos fabricantes de hardware e software.

Ou seja, que finalmente forneçam suporte ou pelo menos uma documentação decente de seus produtos para que a comunidade possa fazer a sua parte. Na prática, isto poderia levar à eliminação das últimas limitações que ainda restam nesse sistema operacional.

Estatísticas de acessos do blog Ubuntu-BR-SC, por sistema operacional

Usuários Linux adoram números, assim como os administradores do blog Ubuntu-BR-SC

Nessa busca por números, uma série de informações, desinformações, teorias e conspirações estão disponíveis internet a fora. O Linux só teria mesmo aqueles menos de 2% do mercado de desktop? Ou seria isto obra de um maligno concorrente, que gastaria fortunas subornando empresas de estatística para que continuassem mantendo esse número baixo? Viveríamos numa realidade artificial, numa Matrix?

No mercado interno os debates também são diversos. O Ubuntu ainda seria a distribuição mais utilizada ou teria o Mint assumido mesmo a primeira posição? A suposta queda do Ubuntu seria por causa do Unity, o divisor de águas da Canonical? E como responder a todas essas perguntas?

Em busca de uma fonte de dados confiável

Uma fonte popularmente citada é o site Distrowatch. Não é para menos que as pessoas confiem nele, afinal de contas um site com esse nome, com a proposta de ser o “vigilante das distribuições”, só poderia ter informações precisas sobre o Linux, certo? Errado. Infelizmente não é bem assim.

O Distrowatch tem seu ranking de distribuições baseado no número de visitas diárias que a página de cada distribuição dentro do próprio site recebe. Assim, entre outros detalhes técnicos, o fato de que a “estatística” pode ser facilmente manipulada pelos visitantes acaba por invalidá-la para qualquer uso sério.

Ranking de distribuições Linux do Distrowatch

Ranking do site Distrowatch é facilmente manipulável e não deve ser levado em conta

Por outro lado, os números que apresentaremos a seguir são baseados em uma amostragem aleatória, abrangente e neutra o suficiente para serem levados em consideração. Os relatórios de análise de tráfego da Wikimedia provêm de dados de acesso aos serviços Wiki (Wikipédia, Wikcionário, Wikinews, etc) no mundo todo.

Toda vez que um usuário acessa um serviço Wiki, os dados básicos de seu computador ficam registrados no servidores, como navegador, sistema operacional, etc. Esses dados vão se acumulando e depois são organizados em relatórios mensais, disponíveis à curiosidade de qualquer um no site Wikimedia Stats.

Antes de mais nada, alguns detalhes sobre os dados utilizados:

  • Os números gerais do Linux no Wikimedia Stats incluem o Android. Como neste artigo estamos analisando somente as distribuições para GNU/Linux, o valores do robozinho verde foram subtraídos do valor total do Linux;

  • Os dados utilizados foram obtidos pelo filtro “Average daily requests”.

Começaremos com uma visão da participação do Linux no mercado de sistemas operacionais (que inclui Windows e Mac OS), e depois detalharemos aos poucos os dados dentro do mercado interno.

O Linux no mercado de sistemas operacionais

Gráfico com a participação do Linux no mercado de sistemas operacionais

No gráfico acima você confere a participação do Linux e do Ubuntu no mercado de sistemas operacionais

Esta é uma visão mais abrangente, da participação do Linux no mercado de sistemas operacionais. Aqui vemos uma tendência otimista: nos últimos dois anos o pinguim tem subido lenta, porém consistentemente, chegando em junho deste ano a 1,93% do mercado de sistemas operacionais, excluídos os sistemas móveis.

Vemos também que o Ubuntu, sozinho, é responsável por quase a metade dos usuários Linux, chegando, em junho/2012, a 0,84% do mercado de sistemas operacionais. Quanto à queda na utilização do Ubuntu entre abril e outubro de 2011, o detalhamento da participação do mesmo pode nos dar mais informações, como veremos a seguir.

A Participação do Ubuntu dentro do mercado Linux

Nos dados do Wikimedia, o Linux aparece como a soma de 20 elementos. Destes, 19 são as distribuições mais bem colocadas em termos de quantidade de acesso aos serviços Wiki, e o vigésimo elemento é a categoria “Outras”, formada pelas distribuições com menor número de acessos ou que simplesmente não foram identificadas pelo sistema.

Entretanto, esse nível de detalhamento (com tantas distros) só passou a estar disponível a partir de outubro/2011, o que acaba limitando um pouco a nossa análise. Dito isto, vamos aos gráficos:

Participação do Ubuntu dentro do mercado interno do Linux

Participação do Ubuntu dentro do mercado interno do Linux, ou seja, o percentual de pinguins que usa a distribuição do Tio Mark.

Esta é a participação do Ubuntu dentro do mercado interno do Linux, ou seja, o percentual de pinguins que usa a distribuição do Tio Mark. O gráfico acima, visto isoladamente, contém algumas curiosidades.

Nele vemos que o Ubuntu dominava o mercado interno do Linux, com participação que chegou a quase 50% no auge da versão 10.10. Mas com o lançamento do 11.04, com o Unity por padrão, muitos usuários teriam migrado para outras distribuições. Se esta fosse a interpretação correta, o Ubuntu teria perdido participação de 17 pontos percentuais, caindo do patamar de quase 43% para abaixo dos 26% no mercado Linux.

Entretanto, a análise do gráfico abaixo ajuda a explicar o que realmente aconteceu:

O efeito Unity: uma análise de mercado de sistemas operacionais

Análise do gráfico ajuda a explicar o que realmente aconteceu

Neste gráfico, como já dissemos, a categoria “Outras” representa todas as distribuições não especificamente listadas no Wikimedia Stats, inclusive as distribuições Linux não identificadas por aquele sistema. Ou seja, o Ubuntu e as outras 18 distribuições mais bem colocadas em termos de acesso aos serviços Wiki não estão incluídas ali.

Observe-se que o gráfico das “Outras” distribuições é inversamente proporcional ao gráfico do Ubuntu. Quando o sistema operacional laranja começou a se recuperar, depois do lançamento do Oneiric Ocelot em outubro/2011, a categoria “Outras” diminuiu proporcionalmente. Isso quer dizer que essa categoria absorveu a maior parte dos usuários que teriam o abandonado, já que as demais grandes distribuições não tiveram um aumento tão significativo, como pode ser observado no gráfico detalhado das outras distribuições, mais abaixo.

Por que isto acontece? Que distribuições misteriosas seriam essas que teriam recebido um número tão significativo de usuários durante esse período?

É que os sistemas na internet dependem de uma série de informações para determinar que sistema operacional o usuário que está acessando determinada página está utilizando, baseando-se na configuração padrão do sistema. Assim, por exemplo, a utilização de um ambiente de trabalho diferente do padrão, como o Gnome 3, LXDE, XFCE e, possivelmente, o próprio Gnome 2 (fallback do Ubuntu 11.04), faria com que um sistema Ubuntu caísse na categoria genérica de “Outras”.

Então o que muito provavelmente aconteceu, é que a grande maioria dos usuários que deixaram de ser identificados como usuários do Ubuntu não estavam usando outras distribuições, mas outro ambiente de trabalho.

O gráfico abaixo confirma que as outras 18 distribuições foram beneficiadas com a migração de usuários que deixaram o Ubuntu, mas somadas, não chegaram a crescer mais que 5% no mercado Linux (considerando que em maio/2012 elas teriam voltado ao patamar anterior ao lançamento do Unity):

Distribuições Linux beneficiadas com a migração de usuários do Ubuntu

As outras 18 distribuições foram beneficiadas com a migração de usuários do Ubuntu

Assim, se o Ubuntu caiu 17 pontos percentuais e apenas 5 foram para essas 18 distribuições, os outros 12 pontos foram parar na categoria “Outras”, simplesmente por causa de usuários que não estavam usando o Unity, e assim não foram devidamente identificados pelos servidores da Wikipédia e demais serviços Wiki.

Observe-se ainda, que não há uma tendência real de queda das distribuições como pode sugerir o gráfico. Como já foi dito, o Wikimedia Stats não detalhava os dados das distribuições desta maneira antes de outubro/2011. Por isto, interpretamos essa aparente queda como uma volta das distribuições ao patamar anterior ao lançamento do Unity.

Os usuários do Ubuntu que tinham trocado de distribuição por causa da versão 11.04, começaram a retornar com o 11.10, processo que se consolidou com a versão 12.04. Como se pode notar, a partir de abril/2012 as distribuições se estabilizam.

Vejamos agora em maior detalhe a participação das 8 maiores distribuições:

Participação das 8 maiores distribuições no mercado interno Linux

Participação das 8 maiores distribuições no mercado interno Linux

De uma maneira geral, observa-se que a posição de cada distribuição não se alterou muito nos últimos meses: temos o Fedora em segundo lugar, com o SUSE logo atrás, em terceiro; depois vem o segundo pelotão, liderado pelo Debian em quarto lugar, seguido do Mint em quinto lugar.

Confirmando as tendências

Quando se trata de análise de mercado, utilizar uma fonte de dados isoladamente pode levar a erros de interpretação. Quanto mais fontes confirmando a leitura dos dados, melhor.

Não há muitos lugares onde nós, mortais, possamos obter dados de uso de sistemas operacionais com livre acesso. Entretanto, pudemos constatar no site Stat Owl as mesmas tendências do mercado interno do Linux, embora com números diferentes. Todas as altas e baixas em decorrência do lançamento do Unity se repetem nos dados desse site, vindo a confirmar a leitura dos dados do Wikimedia Stats.

Considerações finais

Em resumo, podemos chegar a algumas conclusões interessantes:

  1. O mítico limite de 2% parece ser real, o que quer dizer que não vivemos numa Matrix (pílula vermelha!). Por outro lado, a boa notícia é que o Linux vem crescendo consistentemente nos últimos dois anos, o que pode significar que muito em breve irá ultrapassar a barreira dos 2%;

  2. O Ubuntu nunca teve a sua posição de liderança ameaçada por nenhuma outra distribuição. A escala de sua base de usuários é simplesmente outra, em relação às demais distribuições;

  3. A tal “tendência de queda” do Ubuntu que muito se propagou pela internet no final do ano passado, não passa de uma bobagem divulgada por profissionais irresponsáveis e que não têm nenhum respeito pelos seus leitores, uma vez que se utilizaram de dados que não têm nenhum compromisso com a realidade. O que houve foi uma recusa de boa parte dos usuários em utilizar o Unity na versão 11.04, que em sua maioria não trocaram de distribuição, mas apenas de ambiente de trabalho.

  4. A partir da versão 11.10, o Ubuntu com o Unity voltou a ser utilizado pela maior parte dos usuários que inicialmente tinham optado por outro ambiente de trabalho e outras distribuições. As razões disso seriam o fim do Gnome 2, o amadurecimento do Unity e uma maior predisposição dos usuários, passada a (má) impressão inicial, em dar uma chance ao mesmo.

  5. Todas as grandes distribuições se beneficiaram com a migração de usuários do Ubuntu quando o Unity foi lançado, mas não foram capazes de mantê-los.

De qualquer forma, ainda que o Unity permaneça odiado por uma ruidosa minoria (as viúvas do Gnome 2), pode-se considerar que a Canonical obteve sucesso nos seus planos. Romper parcialmente com o projeto Gnome para ter seu próprio ambiente de trabalho e sua própria identidade em termos de interface, foi uma jogada arriscada, mas vitoriosa.

Mark Shuttleworth

Mark Shuttleworth e a equipe de design do Ubuntu acertaram ao dar vida ao Unity, interface padrão do Ubuntu

Poderia se argumentar, com alguma razão, que o lançamento do Unity como padrão no 11.04 foi um movimento precipitado da Canonical. Entretanto, fazer com que os usuários fossem se acostumando com ele desde tão cedo resultou no fato de que, na versão 12.04, a situação já estivesse estabilizada, amenizando antecipadamente a reação contrária que normalmente acompanha toda e qualquer novidade radical.

De onde foram tiradas os números?

As fontes dos números foram citadas inúmeras vezes no texto, mas para aqueles que querem um link e não encontraram, os mesmos podem ser conferidos a seguir: Wikimedia e StatOwl.

Espero ter ajudado a esclarecer algumas dúvidas e acabar com alguns mitos. E você? O que achou dos dados da Wikimedia? Surpreendem de alguma forma ou apenas confirmam as suas suspeitas? Deixe seu comentário abaixo! (:

Assine nossa newsletter!

Quer receber as novidades mais recentes do Ubuntu na sua caixa de entrada? Informe seu e-mail e clique em Assinar.

  • Assine o feed RSS
  • Siga o Ubuntu-BR-SC no Twitter
  • Curta o Ubuntu-BR-SC no Facebook
  • Ubuntu-BR-SC no Google+
  • Canal do Ubuntu-BR-SC no YouTube


  • http://www.ubuntubrsc.com/ Cedrik Rocha

    ótima leitura!

    • Neliton Pereira Junior

      Obrigado Cedrik!

  • http://www.ubuntubrsc.com/ Cedrik Rocha

    ótima leitura!

    • Neliton

      Obrigado Cedrik!

  • Eliseu Carvalho

    Esclarecedor. E isso mostra que o Distrowatch não precisa ser levado a sério ;-)

  • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

    Ótimo artigo, Neliton! E seja bem vindo ao time do blog Ubuntu-BR-SC! (:

    • Neliton Pereira Junior

      Obrigado Julian! É uma honra poder participar!

  • Eliseu Carvalho

    Esclarecedor. E isso mostra que o Distrowatch não precisa ser levado a sério ;-)

  • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

    Ótimo artigo, Neliton! E seja bem vindo ao time do blog Ubuntu-BR-SC! (:

    • Neliton

      Obrigado Julian! É uma honra poder participar!

  • Messias Fernandes

    interessantíssimo. [viúva do gnome apaixonada pelo unity]

  • Messias Fernandes

    interessantíssimo. [viúva do gnome apaixonada pelo unity]

  • igoromero

    ótimo post parabéns

  • igoromero

    ótimo post parabéns

  • http://www.facebook.com/marcio.camargojogo Marcio Camargo Jogo

    Sou novato no linux mas uso Ubuntu com KDE. Me atrapalho com o Unity.

    • Neliton

      Já a minha experiência com o KDE não foi das melhores (pra dizer o mínimo). Mas o legal no Linux é que temos diversidade de ambientes de trabalho. Eu particularmente gosto bastante do XFCE, principalmente para máquinas mais antigas.

      • JoseRenan

        Acho que o KDE é o ambiente que menos precisamos nos adaptar, tem um layout padrão como o que estamos acostumados a usar a anos, mas é totalmente personalizável, a ponto até mesmo de fazê-lo bem parecido com o Unity com uma barra lateral. No começo não gostei muito do KDE devido a seus conhecidos frufruzinhos pesados, mas hoje mudei muito minha opinião e sou fã de carteirinha.

  • http://www.facebook.com/marcio.camargojogo Marcio Camargo Jogo

    Sou novato no linux mas uso Ubuntu com KDE. Me atrapalho com o Unity.

    • Neliton

      Já a minha experiência com o KDE não foi das melhores (pra dizer o mínimo). Mas o legal no Linux é que temos diversidade de ambientes de trabalho. Eu particularmente gosto bastante do XFCE, principalmente para máquinas mais antigas.

      • JoseRenan

        Acho que o KDE é o ambiente que menos precisamos nos adaptar, tem um layout padrão como o que estamos acostumados a usar a anos, mas é totalmente personalizável, a ponto até mesmo de fazê-lo bem parecido com o Unity com uma barra lateral. No começo não gostei muito do KDE devido a seus conhecidos frufruzinhos pesados, mas hoje mudei muito minha opinião e sou fã de carteirinha.

  • Carlos José

    queria era saber quantos estão usando unity e quantos estão usando o gnome no ubuntu.

    • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

      @google-fb88d18c735f41ce1279984a57bd2ceb:disqus Levando em consideração o que o autor falou, sobre qualquer interface gráfica que não seja o Unity ficar na categoria “Outras”, pode-se dizer que todo o resto do gráfico do Ubuntu é de usuários usando o Unity.

      • Everaldo Canuto

        Errado, emboré o autor chegue a essa conclusão, ela é uma premissa falsa, para justificar esses números ele adotou como verdade algo que não é. O que é usado para verificar o sistema operacional é o “useragent” do navegador e testando aqui pude perceber que mesmo rodando outros ambientes no useragent continua como “ubuntu”.

        • Neliton Pereira Junior

          É uma suposição, é verdade. Mas não vejo outra melhor explicação para o espelhamento da evolução dos gráficos “Outras” vs “Ubuntu”. É meio difícil engolir que 12% de todos os usuários Linux tenham abandonado o Ubuntu e passado a usar uma miríade de distribuições desconhecidas, já que nenhuma individualmente passou a ser detectada pelo Wikimedia.

          • Carlos José

            Eu fui um que abandonei durante o 11.04 e fiquei usando o Arch Linux.

            Só voltei depois e poder instalar o Gnome Shell na versão 11.10

            Se não fosse o Gnome Shell eu teria abandonado o ubuntu de vez.

          • Neliton

            Olá @google-fb88d18c735f41ce1279984a57bd2ceb:disqus. Taí uma coisa que eu não entendo muito (e sei que muita gente fez).
            Então é uma curiosidade minha: pq trocar de distribuição se o 11.04 vinha com o Gnome 2?

      • Carlos José

        Ainda gostaria de ver algo objetivo sobre isso.

        Quantos usam Gnome Shell e quantos usam Unity.

        Acredito que a Canonical resolveu lançar uma versão com o Gnome Shell no ubuntu 12.10 por alguma razão, né?

        Se fossem poucos, acho que eles não se dariam ao trabalho de fazer isso, visto que eles não são muito de dar ouvidos ao que a comunidade fala.

        • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

          @google-fb88d18c735f41ce1279984a57bd2ceb:disqus Eu tenho uma planilha jogada em algum lugar do meu computador, com dados da Canonical (ela coleta esses dados, se você optar por deixa-la). Verei se a encontro e posto sobre :)

          • Neliton

            Oba! Mais números! rs

  • Carlos Carneiro

    queria era saber quantos estão usando unity e quantos estão usando o gnome no ubuntu.

    • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

      @google-fb88d18c735f41ce1279984a57bd2ceb:disqus Levando em consideração o que o autor falou, sobre qualquer interface gráfica que não seja o Unity ficar na categoria “Outras”, pode-se dizer que todo o resto do gráfico do Ubuntu é de usuários usando o Unity.

      • Everaldo Canuto

        Errado, emboré o autor chegue a essa conclusão, ela é uma premissa falsa, para justificar esses números ele adotou como verdade algo que não é. O que é usado para verificar o sistema operacional é o “useragent” do navegador e testando aqui pude perceber que mesmo rodando outros ambientes no useragent continua como “ubuntu”.

        • Neliton

          É uma suposição, é verdade. Mas não vejo outra melhor explicação para o espelhamento da evolução dos gráficos “Outras” vs “Ubuntu”. É meio difícil engolir que 12% de todos os usuários Linux tenham abandonado o Ubuntu e passado a usar uma miríade de distribuições desconhecidas, já que nenhuma individualmente passou a ser detectada pelo Wikimedia.

          Além disso, mesmo deixando de lado essa suposição, os números do Ubuntu refletem uma posição confortável e um futuro otimista.

          • Carlos Carneiro

            Eu fui um que abandonei durante o 11.04 e fiquei usando o Arch Linux.

            Só voltei depois e poder instalar o Gnome Shell na versão 11.10

            Se não fosse o Gnome Shell eu teria abandonado o ubuntu de vez.

          • Neliton

            Olá @google-fb88d18c735f41ce1279984a57bd2ceb:disqus. Taí uma coisa que eu não entendo muito (e sei que muita gente fez).
            Então é uma curiosidade minha: pq trocar de distribuição se o 11.04 vinha com o Gnome 2?

      • Carlos Carneiro

        Ainda gostaria de ver algo objetivo sobre isso.

        Quantos usam Gnome Shell e quantos usam Unity.

        Acredito que a Canonical resolveu lançar uma versão com o Gnome Shell no ubuntu 12.10 por alguma razão, né?

        Se fossem poucos, acho que eles não se dariam ao trabalho de fazer isso, visto que eles não são muito de dar ouvidos ao que a comunidade fala.

        • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

          @google-fb88d18c735f41ce1279984a57bd2ceb:disqus Eu tenho uma planilha jogada em algum lugar do meu computador, com dados da Canonical (ela coleta esses dados, se você optar por deixa-la). Verei se a encontro e posto sobre :)

          • Neliton

            Oba! Mais números! rs

  • Alan Wagner

    Parabéns pelo post muito esclarecedor

  • Alan Wagner

    Parabéns pelo post muito esclarecedor

  • Juvenau

    Chegou a mim essa ‘baixa’ do ubuntu meses atrás, não me recordo se veio de midia nacional ou internacional, alguém tem essa informação? De qualquer modo, em quanto alguns falam mal ou criticam, quem produz coisa boa está usando Ubuntu.. Acho que esse sim é o indicador a ser considerado.

  • Juvenau

    Chegou a mim essa ‘baixa’ do ubuntu meses atrás, não me recordo se veio de midia nacional ou internacional, alguém tem essa informação? De qualquer modo, em quanto alguns falam mal ou criticam, quem produz coisa boa está usando Ubuntu.. Acho que esse sim é o indicador a ser considerado.

  • http://www.idemdesign.net/ Danilo

    A estatística pode ser manipulada, isso é sempre um perigo. Artigo muito bom.
    PS.: tem um bug na caixa flutuante no rodapé do blog (Facebook like): “Object at URL http://www.ubuntubrsc.com/ has og:type of ‘website’. The property ‘article’ requires an object of og:type ‘article’”

    • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

      @idemdesign:disqus Passou batido por mim haha… vou corrigir hoje a tarde :)

  • nerix

    ficou excelente a forma que foi mostrado os dados estatísticos e as conclusões dos mesmos. parabéns pelo post! :)

    • Neliton

      Grato @7c468e95d532eb3424e25da2513ab0a2:disqus! Confesso que deu uma certa mão de obra, mas é gratificante poder compartilhar o resultado.

  • nerix

    ficou excelente a forma que foi mostrado os dados estatísticos e as conclusões dos mesmos. parabéns pelo post! :)

    • Neliton

      Grato @7c468e95d532eb3424e25da2513ab0a2:disqus! Confesso que deu uma certa mão de obra, mas é gratificante poder compartilhar o resultado.

  • http://twitter.com/nq6 Frederico Araújo

    A verdade é uma só. O Unity está ainda muito crú, e vai precisar evoluir muito. Talvez nos próximos 4 ou 6 ciclos de desenvolvimento as coisas melhorem um pouco. Um dos fatores que mais me incomodam é a bagunça das categorias de aplicativos, a maneira como elas são organizadas, a redundância dos aplicativos no dash, a falta de maior personalização, a falta de temas do Unity, maneiras nativas de editar os menus da categoria de aplicativos, poder trocar o tamanho dos ícones, entre outros. Existe evolução? Sim, mais está bem lenta, basta lembrar que não podemos se quer mudar o um simples ícone para o de nossa preferencia de modo pratico, acessando o botão direito e alterando, como fazemos em qualquer desktop. Vale ressaltar que docks como o Docky ou o AWN tem milhares de opções de personalização, que o Unity nem sonha em ter. O tema do Unity é muito pobre, essa tendencia de algo transparente já está fora de moda a muito tempo, eu acho que até confunde a leitura, e não é a melhor solução de design. Existem vários erros de design, inconsistência do padrão do tema com o Dash, problemas com o tema batido, ícones velhos e antiquariados. Ainda falta muito…..

    • Gabriel Trindade Caviglione

      Cara concordo plenamente com você, o unity ainda é muito bugado, qualquer efeito do compiz ele buga, E no pc de casa ele ja caiu a interface várias vezes. ele é muito legal gosto dele mas está muito cru,

      E esse povo que fica criticando aqueles que gostam do gnome-2 são uns manés até pq o próprio torvalds gostava do gnome2

      • Neliton Pereira Junior

        Não é questão de gostar ou não. O Gnome 2 faleceu, morreu, bateu as botas.

    • Tiago Soares

      Concordo plenamente. A usabilidade do Unity é péssima. Não dá, testei em todas as versões(do 11.04 até a 12.04) mas não consigo engolir essa interface. O Gnome Shell é tão ruim quanto. Estão querendo colocar interface de smartphone e tablet nos PCs e notebooks. Não funciona. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa completamente diferente!!

      • http://www.facebook.com/luisdknob Luis Knob

        Estranho, uso com dois monitores numa placa onboard e o X nunca “caiu”…

    • Neliton Pereira Junior

      Também espero mais opções de personalização do Unity para que ele se molde melhor ao uso e estilo de cada pessoa. Quanto aos menus, já me incomodei bastante com a organização dos aplicativos, etc, mas sinceramente a barra de pesquisa do Painel resolve 99,99% das vezes, então eu quase nunca chego lá.

      Quanto à evolução, esta é a terceira versão do Unity para desktop, então não acho que a evolução esteja lenta. Não dá pra esperar um milagre a cada seis meses.

    • http://www.facebook.com/evandrolkot Evandro Lazzeri Kottwitz

      exatamente isso, acho o Unity péssimo, ainda vou de Gnome Shell mesmo estando tão cru quanto o Unity… é uma pena o gnome 2 e sua liberdade de personalização terem sidos deixados de lado!

  • http://twitter.com/nq6 Frederico Araújo

    A verdade é uma só. O Unity está ainda muito crú, e vai precisar evoluir muito. Talvez nos próximos 4 ou 6 ciclos de desenvolvimento as coisas melhorem um pouco. Um dos fatores que mais me incomodam é a bagunça das categorias de aplicativos, a maneira como elas são organizadas, a redundância dos aplicativos no dash, a falta de maior personalização, a falta de temas do Unity, maneiras nativas de editar os menus da categoria de aplicativos, poder trocar o tamanho dos ícones, entre outros. Existe evolução? Sim, mais está bem lenta, basta lembrar que não podemos se quer mudar o um simples ícone para o de nossa preferencia de modo pratico, acessando o botão direito e alterando, como fazemos em qualquer desktop. Vale ressaltar que docks como o Docky ou o AWN tem milhares de opções de personalização, que o Unity nem sonha em ter. O tema do Unity é muito pobre, essa tendencia de algo transparente já está fora de moda a muito tempo, eu acho que até confunde a leitura, e não é a melhor solução de design. Existem vários erros de design, inconsistência do padrão do tema com o Dash, problemas com o tema batido, ícones velhos e antiquariados. Ainda falta muito…..

    • Gabriel Trindade Caviglione

      Cara concordo plenamente com você, o unity ainda é muito bugado, qualquer efeito do compiz ele buga, E no pc de casa ele ja caiu a interface várias vezes. ele é muito legal gosto dele mas está muito cru,

      E esse povo que fica criticando aqueles que gostam do gnome-2 são uns manés até pq o próprio torvalds gostava do gnome2

      • Neliton

        Não é questão de gostar ou não. O Gnome 2 faleceu, morreu, bateu as botas.

    • Tiago Soares

      Concordo plenamente. A usabilidade do Unity é péssima. Não dá, testei em todas as versões(do 11.04 até a 12.04) mas não consigo engolir essa interface. O Gnome Shell é tão ruim quanto. Estão querendo colocar interface de smartphone e tablet nos PCs e notebooks. Não funciona. Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa completamente diferente!!

      • Luis Knob

        Estranho, uso com dois monitores numa placa onboard e o X nunca “caiu”…

    • Neliton

      @Frederico Também espero mais opções de personalização do Unity para que ele se molde melhor ao uso e estilo de cada pessoa. Quanto aos menus, já me incomodei bastante com a organização dos aplicativos, etc, mas sinceramente a barra de pesquisa do Painel resolve 99,99% das vezes, então eu quase nunca chego lá.

      Quanto à evolução, esta é a terceira versão do Unity para desktop, então não acho que a evolução esteja lenta. Não dá pra esperar um milagre a cada seis meses.

    • http://www.facebook.com/evandrolkot Evandro Lazzeri Kottwitz

      exatamente isso, acho o Unity péssimo, fora a integração de menus com a barra a la Mac OS que é tosca, ainda vou de Gnome Shell mesmo estando tão cru quanto o Unity… é uma pena o gnome 2 e sua liberdade de personalização terem sidos deixados de lado!

  • Richelmy Monteiro

    Ótimo post, mostrou um outro ângulo da questão. Eu mesmo testava outros ambientes nesse período, e só usei o 10.04 até formatar e instalar o 12.04, evitei as reviravoltas das versões não-LTS.

    • Neliton

      @af22fe23f55acaf2b4f4b4a7347e6daf:disqus Eu acredito que seja difícil para a maioria dos usuário Linux esperar 2 anos pra ver o que há de novo em sua distribuição, não só por pura ansiedade, mas também pelo fato de que as versões não-LTS do Ubuntu, anteriores à 11.04, eram muito boas (i.e., não havia razão para esperar). O lançamento do Unity foi um capítulo à parte nessa história, em que realmente fazia mais sentido permanecer com a versão LTS.

  • Richelmy Monteiro

    Ótimo post, mostrou um outro ângulo da questão. Eu mesmo testava outros ambientes nesse período, e só usei o 10.04 até formatar e instalar o 12.04, evitei as reviravoltas das versões não-LTS.

    • Neliton

      @af22fe23f55acaf2b4f4b4a7347e6daf:disqus Eu acredito que seja difícil para a maioria dos usuários Linux esperar 2 anos pra ver o que há de novo em sua distribuição, não só por pura ansiedade, mas também pelo fato de que as versões não-LTS do Ubuntu, anteriores à 11.04, eram muito boas (i.e., não havia razão para esperar). O lançamento do Unity foi um capítulo à parte nessa história, em que realmente fazia mais sentido permanecer com a versão LTS.

  • http://www.facebook.com/people/Ivo-Nunes/100001887031424 Ivo Nunes

    Já testei o Gnome Shell, Cinnamon e Mate do Mint, Phanteon do Elementary OS e o Joli OS e derivados sistemas na Nuven, e para mim, o Unity está melhor, más tem que melhorar muito, más é uma aposta da Cannonical para dar Cara e Identidade do Ubuntu para se tornar diferente das outras Distro Linux e acho que ele acertou, pois estou farto e cansado de inúmeras Distros que Imitam o Windows e Mac OS, eu gosto de novidades e vou continuar com o Ubuntu e estou aguardando o 12.10…

  • http://www.facebook.com/people/Ivo-Nunes/100001887031424 Ivo Nunes

    Já testei o Gnome Shell, Cinnamon e Mate do Mint, Phanteon do Elementary OS e o Joli OS e derivados sistemas na Nuven, e para mim, o Unity está melhor, más tem que melhorar muito, más é uma aposta da Cannonical para dar Cara e Identidade do Ubuntu para se tornar diferente das outras Distro Linux e acho que ele acertou, pois estou farto e cansado de inúmeras Distros que Imitam o Windows e Mac OS, eu gosto de novidades e vou continuar com o Ubuntu e estou aguardando o 12.10…

  • Caetano

    Só sei que o meu sonho de ver o “ano do Linux no desktop” está mais próximo devido ao trabalho da Canonical. Quer queira, quer não… as outras distros sempre fizeram “mais do mesmo” e eu apoio como forma de gratidão qualquer decisão da Canonical. Se eu quiser personalizar o Ubuntu e por um lançador em cada lateral com pinguins dançando tango descendo na tela, o problema de fazer isso é meu e não da Canonical. Vida longa ao linux!

    • Neliton

      @3f5af3a5242c8e9e267c853e9bb6e53f:disqus Concordo que quem quer personalizar, vai lá e personaliza, por que o Linux permite isso. Mas eu acredito que o Ubuntu já deveria ter mais opções de personalização “de fábrica”, pelo menos nas coisas mais óbvias. Vamos ver o que o 12.10 nos reserva nesta questão. Vida longa ao Linux!

  • Guest

    Só sei que o meu sonho de ver o “ano do Linux no desktop” está mais próximo devido ao trabalho da Canonical. Quer queira, quer não… as outras distros sempre fizeram “mais do mesmo” e eu apoio como forma de gratidão qualquer decisão da Canonical. Se eu quiser personalizar o Ubuntu e por um lançador em cada lateral com pinguins dançando tango descendo na tela, o problema de fazer isso é meu e não da Canonical. Vida longa ao linux!

    • Neliton

      @3f5af3a5242c8e9e267c853e9bb6e53f:disqus Concordo que quem quer personalizar, vai lá e personaliza, por que o Linux permite isso. Mas eu acredito que o Ubuntu já deveria ter mais opções de personalização “de fábrica”, pelo menos nas coisas mais óbvias. Vamos ver o que o 12.10 nos reserva nesta questão. Vida longa ao Linux!

  • Daniel Alves

    Achei uma ótima matéria.

  • Daniel Alves

    Achei uma ótima matéria.

  • http://www.facebook.com/gattini.fabio Fabio Gattini

    Parabéns pela matéria !!!
    E não tenho mais dificuldades com o Unity, questão de costume.

  • http://www.facebook.com/gattini.fabio Fabio Gattini

    Parabéns pela matéria !!!
    E não tenho mais dificuldades com o Unity, questão de costume.

  • http://tiagohillebrandt.eti.br/ Tiago Hillebrandt

    Leitura extremamente recomendada; texto excelente! E bem-vindo ao time Neliton :-)

    • Neliton Pereira Junior

      Obrigado, Tiago!

  • http://tiagohillebrandt.eti.br/ Tiago Hillebrandt

    Leitura extremamente recomendada; texto excelente! E bem-vindo ao time Neliton :-)

    • Neliton

      Obrigado, Tiago!

  • http://www.facebook.com/jordan.queiroz Jordan Queiroz

    Muito interessante =)

  • http://www.facebook.com/jordan.queiroz Jordan Queiroz

    Muito interessante =)

  • http://twitter.com/RudineiTi RudineiWeschenfelder

    Ótimo artigo de estreia! Ainda mais abordando dois assuntos que sempre geram muitas opiniões diferentes.
    Quanto ao número de usuários Linux, dizer que são 1% ou 2% não faz muita diferença, o que mais chama atenção é que esse número está aumentando cada vez mais. Os usuários estão caindo na real e vendo as enormes vantagens em usar software livre.
    Sobre o Unity, é uma interface que quebrou muitos paradigmas que vieram do século passado, além do mais ela está em desenvolvimento, não está pronta.
    Como sempre a resistência dos usuários é uma enorme barreira na adoção de novas ideias, muitos continuam com a mentalidade de “macaquinhos adestrados” clicadores de botões, e quando um botão é trocado de lugar já não sabem fazer mais nada, pois não foram ensinados a se adaptar.

    • JoseRenan

      Concordo, nesses anos que virão teremos um conceito cada vez mais diferente de área de trabalho, o Unity não agrada porque muitos ainda estão ligados demais na interface like WinXP, a mudança é bem-vinda!

    • Neliton

      Obrigado @twitter-388599685:disqus. A tendência é deixar essa barreira dos 2% pra trás, ainda mais tendo em vista as novidades no Linux num futuro próximo, como a vinda da Steam.

    • O Troll

      “Quanto ao número de usuários Linux, dizer que são 1% ou 2% não faz muita diferença, o que mais chama atenção é que esse número está aumentando cada vez mais.”

      Agora só falta convencer outros 98% dos usuários de PCs, né… Hauhauahauahauahauahaua, bela piada a do Linux no Desktop, quem sabe, se mantiver o ritmo, em menos de 200 anos o Linux seja o mais utilizado no Desktop…

      Desculpe, não resisti a comentar sobre isso, pois é ridículo demais esperar que o Ubuntu seja a salvação do Linux no Desktop, basta sair por aí mostrando-o para os usuários do Windows e colhendo suas opiniões para entender todos os vários problemas que ele tem!

      • af..

        talvez você devesse mesmo mostrar pros usuários de windows… meu pai não aceita mais usar outra coisa que não seja o ubuntu…

      • David

        Gosto é que nem c… Cada um tem o seu…
        Mas inteligência, poucos têm… Principalmente os usuários de Windows pirata!!! Repito e em caixa alta Windows PIRATA!!

  • Rudinei Weschenfelder

    Ótimo artigo de estreia! Ainda mais abordando dois assuntos que sempre geram muitas opiniões diferentes.
    Quanto ao número de usuários Linux, dizer que são 1% ou 2% não faz muita diferença, o que mais chama atenção é que esse número está aumentando cada vez mais. Os usuários estão caindo na real e vendo as enormes vantagens em usar software livre.
    Sobre o Unity, é uma interface que quebrou muitos paradigmas que vieram do século passado, além do mais ela está em desenvolvimento, não está pronta.
    Como sempre a resistência dos usuários é uma enorme barreira na adoção de novas ideias, muitos continuam com a mentalidade de “macaquinhos adestrados” clicadores de botões, e quando um botão é trocado de lugar já não sabem fazer mais nada, pois não foram ensinados a se adaptar.

    • JoseRenan

      Concordo, nesses anos que virão teremos um conceito cada vez mais diferente de área de trabalho, o Unity não agrada porque muitos ainda estão ligados demais na interface like WinXP, a mudança é bem-vinda!

    • Neliton

      Obrigado @twitter-388599685:disqus. A tendência é deixar essa barreira dos 2% pra trás, ainda mais tendo em vista as novidades no Linux num futuro próximo, como a vinda da Steam.

    • O Troll

      “Quanto ao número de usuários Linux, dizer que são 1% ou 2% não faz muita diferença, o que mais chama atenção é que esse número está aumentando cada vez mais.”

      Agora só falta convencer outros 98% dos usuários de PCs, né… Hauhauahauahauahauahaua, bela piada a do Linux no Desktop, quem sabe, se mantiver o ritmo, em menos de 200 anos o Linux seja o mais utilizado no Desktop…

      Desculpe, não resisti a comentar sobre isso, pois é ridículo demais esperar que o Ubuntu seja a salvação do Linux no Desktop, basta sair por aí mostrando-o para os usuários do Windows e colhendo suas opiniões para entender todos os vários problemas que ele tem!

      • af..

        talvez você devesse mesmo mostrar pros usuários de windows… meu pai não aceita mais usar outra coisa que não seja o ubuntu…

      • David

        Gosto é que nem c… Cada um tem o seu…
        Mas inteligência, poucos têm… Principalmente os usuários de Windows pirata!!! Repito e em caixa alta Windows PIRATA!!

  • Thiago Gomes Silva

    ótimo artigo. muito bom ver que você primou pela busca de dados confiáveis.

    • Neliton

      Obrigado @Thiago. Como já disse em outra resposta, deu um certo trabalho, mas é um prazer poder compartilhar o resultado.

  • Thiago Gomes Silva

    ótimo artigo. muito bom ver que você primou pela busca de dados confiáveis.

    • Neliton

      Obrigado @Thiago. Como já disse em outra resposta, deu um certo trabalho, mas é um prazer poder compartilhar o resultado.

  • http://orgulhogeek.net/ Kadu

    Texto fantástico!
    Sempre acreditei no Ubuntu!

  • http://orgulhogeek.net/ Kadu

    Texto fantástico!
    Sempre acreditei no Ubuntu!

  • http://www.facebook.com/ubuntuario Fabricio Souza

    Migrei para o Ubuntu em 2010, na versão 10.04 LTS, me apaixonei por facilidades que o Gnome-DO trazia (por exemplo); a proteção contra vírus que o Windows não me dava (ter que passar antivírus em cada pen-drive ou cd/dvd inserido no PC era um saco); os efeitos que o compiz possibilitava me encantaram de vez (na versão 10.10 foi quando percebi uma maior estabilidade do sistema quanto aos efeitos).

    Hoje ainda tenho Windows em minha máquina, mas se o utilizo uma vez ao mês é muito, no entanto, acredito que o Unity ainda falta melhorar, mas que está acertando cada vez mais, isto é inegável.

    Para aqueles que não gostam do Unity, deem uma oportunidade a si mesmos como eu fiz, usei o 11.04, rejeitei-o, voltei para o 10.10, tentei o 11.10 e gostei, experimentei o 12.04 e agora estou ansioso pelo 12.10.

    Às vezes, o que torna o sistema ruim não é a interface, mas sim o preconceito.

  • http://www.facebook.com/ubuntuario Fabricio Souza

    Migrei para o Ubuntu em 2010, na versão 10.04 LTS, me apaixonei por facilidades que o Gnome-DO trazia (por exemplo); a proteção contra vírus que o Windows não me dava (ter que passar antivírus em cada pen-drive ou cd/dvd inserido no PC era um saco); os efeitos que o compiz possibilitava me encantaram de vez (na versão 10.10 foi quando percebi uma maior estabilidade do sistema quanto aos efeitos).

    Hoje ainda tenho Windows em minha máquina, mas se o utilizo uma vez ao mês é muito, no entanto, acredito que o Unity ainda falta melhorar, mas que está acertando cada vez mais, isto é inegável.

    Para aqueles que não gostam do Unity, deem uma oportunidade a si mesmos como eu fiz, usei o 11.04, rejeitei-o, voltei para o 10.10, tentei o 11.10 e gostei, experimentei o 12.04 e agora estou ansioso pelo 12.10.

    Às vezes, o que torna o sistema ruim não é a interface, mas sim o preconceito.

    • JoseRenan

      A versão 11.04 foi uma versão que trazia um Unity muito arcaico e sem grandes funções, isso me chocou, além de muitos outros por aí, o que fez muitos virarem a cara contra o Ubuntu, na versão do 11.10 a coisa já era outra, nós usuários começamos a ver o potencial dessa interface e a visão do Ubuntu com Unity se tornou um pouco mais agradável. Com novas versões do Ubuntu vindo é impossível não termos cada vez mais orgulho do Unity com seus grandes avanços.

      • Mateusln

        A versao 11.04 do unity era mais feia que a unity que vinha na 10.10 para netbooks, era muito beta apesar de ser um pouco mais leve (pelo menos no meu netbook), mas dai pra frente só melhorou.

      • http://twitter.com/ecatarina Emerson

        Na verdade, eu troquei para o Fedora pra testar o Gnome-Shell, aí cansei de algumas coisas chatas do fedora, voltei e instalei o Lubuntu e a seguir coloquei o Gnome-Shell … resolvi meu problema. Gosto da parte “baixa” do Ubuntu, mas não gosto da interface padrão, e isso resolvi instalando outra.

        Mas, a bem da verdade … será que uma interface cheia de efeitos, etc é tão importante, se na maior parte do tempo você vai estar utilizando um aplicativo que é compatível com qualquer uma? Será q o LXDE não seria o suficiente?

        • Neliton

          Acho que o LXDE pode ser suficiente, claro, dependendo do gosto do cidadão. Mas com a evolução do hardware, praticamente qualquer computador adquirido hoje consegue manipular os efeitos visuais que acabam dando uma melhor experiência ao usuário. Então é de se pensar até que ponto vale a pena ser minimalista com um ambiente como o LXDE, se a sua máquina não tem problemas com o Gnome Shell, que além de ter um visual moderno, tem mais recursos e uma melhor integração do sistema.

  • http://www.facebook.com/marcosalberto.marquesdias Marcos Alberto Marques Dias

    Não temos como discordar. Grande artigo e os números são reais. Muitas pessoas tiveram uma má impressão com o Unity eu inclusive fui uma dessas pessoas. Mas mesmo assim utilizo o mesmo desde que foi implementado no Ubuntu 11.04. Hoje esta ótimo e maduro. Quanto ao mercado o fato de ter apenas 2% não me surpreende. Aqui onde moro a maior parte das pessoas nunca sequer ouviu falar do sistema. No bairro onde resido particularmente sou o único usuário do sistema. E conheço apenas 1 pessoa que usa o Linux Mint. É um amigo que mora em outro bairro e lá ele é o único também. Parabéns pela matéria….

  • http://www.facebook.com/marcosalberto.marquesdias Marcos Alberto Marques Dias

    Não temos como discordar. Grande artigo e os números são reais. Muitas pessoas tiveram uma má impressão com o Unity eu inclusive fui uma dessas pessoas. Mas mesmo assim utilizo o mesmo desde que foi implementado no Ubuntu 11.04. Hoje esta ótimo e maduro. Quanto ao mercado o fato de ter apenas 2% não me surpreende. Aqui onde moro a maior parte das pessoas nunca sequer ouviu falar do sistema. No bairro onde resido particularmente sou o único usuário do sistema. E conheço apenas 1 pessoa que usa o Linux Mint. É um amigo que mora em outro bairro e lá ele é o único também. Parabéns pela matéria….

  • http://www.facebook.com/lowbit.sh Eric Guimarães De Sousa Silva

    Concordo com o Frederico. O Unity me parece desorganizado para encontrar aplicativos. E odeio aquelas sugestões de “Aplicativos disponíveis para baixar”. Eu gostaria muito mais se pudesse personalizar o Unity para apertar a tecla “super” e ver em tela cheia todos os aplicativos separados em categorias. Tem programas que tenho instalado no Ubuntu, mas que nem lembro de ter porque as entradas no menu ficam escondidas. Se eu não der “alt+F2″ e digitar o nome do programa, nem lembro da existência dele rs.

    • Neliton

      @Eric, eu também acho que, por padrão, os aplicativos deveriam ser mostrados por categoria. Não faz sentido listar todos os aplicativos da máquina em ordem alfabética e ficar esperando que o usuário aplique um filtro. Acho que os desenvolvedores do Unity exageraram na “desconstrução” do modelo de menus categorizados.

      Também as sugestões de aplicativos para baixar deveriam poder ser desativadas. Por alguma razão, se você seleciona para mostrar somente aplicativos locais, o Unity não se lembra dessa opção por muito tempo, o que é realmente irritante.

      • Mateusln

        Eu desativei as sugestões de aplicativos aqui e funcionou blza

    • Mateusln

      É verdade, falou tudo, acontece o mesmo comigo aqui, nesse ponto eu prefiro o menu do Gnome Shell

  • http://www.facebook.com/lowbit.sh Eric Guimarães De Sousa Silva

    Concordo com o Frederico. O Unity me parece desorganizado para encontrar aplicativos. E odeio aquelas sugestões de “Aplicativos disponíveis para baixar”. Eu gostaria muito mais se pudesse personalizar o Unity para apertar a tecla “super” e ver em tela cheia todos os aplicativos separados em categorias. Tem programas que tenho instalado no Ubuntu, mas que nem lembro de ter porque as entradas no menu ficam escondidas. Se eu não der “alt+F2″ e digitar o nome do programa, nem lembro da existência dele rs.

    • Neliton

      @Eric, eu também acho que, por padrão, os aplicativos deveriam ser mostrados por categoria. Não faz sentido listar todos os aplicativos da máquina em ordem alfabética e ficar esperando que o usuário aplique um filtro. Acho que os desenvolvedores do Unity exageraram na “desconstrução” do modelo de menus categorizados.

      Também as sugestões de aplicativos para baixar deveriam poder ser desativadas. Por alguma razão, se você seleciona para mostrar somente aplicativos locais, o Unity não se lembra dessa opção por muito tempo, o que é realmente irritante.

      • Mateusln

        Eu desativei as sugestões de aplicativos aqui e funcionou blza

    • Mateusln

      É verdade, falou tudo, acontece o mesmo comigo aqui, nesse ponto eu prefiro o menu do Gnome Shell

  • Nuno Jorge

    Sou um acérrimo defensor do Unity desde o início. E agora do HUD. A inovação incomoda, dá trabalho a aprender, mas no fim do dia, o trabalho está feito. As aplicações que eu uso diariamente cabem na barra, as que uso de vez em quando aparecem nas recentes e as outras basta digitar o nome. Com o Myunity posso personalizar qb. e o compiz funciona bem, pelo menos na minha máquina (jelly windows, efeitos de abrir/fechar e outros). Estou satisfeito a 95%… os 5% que faltam é a ânsia por mais inovação. :)

    • Marcus

      Cara, eu acho que o Unity tem excelentes ideias, mas sempre tem uma coisinha aqui ou ali que o cara quer ajustar. Aí clica com o botão direito nas coisas e não tem opção nenhuma!

  • Nuno Jorge

    Sou um acérrimo defensor do Unity desde o início. E agora do HUD. A inovação incomoda, dá trabalho a aprender, mas no fim do dia, o trabalho está feito. As aplicações que eu uso diariamente cabem na barra, as que uso de vez em quando aparecem nas recentes e as outras basta digitar o nome. Com o Myunity posso personalizar qb. e o compiz funciona bem, pelo menos na minha máquina (jelly windows, efeitos de abrir/fechar e outros). Estou satisfeito a 95%… os 5% que faltam é a ânsia por mais inovação. :)

    • Marcus

      Cara, eu acho que o Unity tem excelentes ideias, mas sempre tem uma coisinha aqui ou ali que o cara quer ajustar. Aí clica com o botão direito nas coisas e não tem opção nenhuma!

  • Nito

    Muito bom, Parabéns!

  • Nito

    Muito bom, Parabéns!

  • Rafael

    Fico aqui pensando porque as pessoas não aceitam que o Ubuntu caiu realmente e ficam tentando arrumar desculpas pra dizer que não. É fato: Caiu, mas está se recuperando e passa bem. O importante é que está se recuperando. E essa de usar ambiente diferente e não ser identificado como Ubuntu, me parece que não confere.

    • Neliton

      @Rafael Eu não arrumei desculpas, eu analisei números.

  • Rafael

    Fico aqui pensando porque as pessoas não aceitam que o Ubuntu caiu realmente e ficam tentando arrumar desculpas pra dizer que não. É fato: Caiu, mas está se recuperando e passa bem. O importante é que está se recuperando. E essa de usar ambiente diferente e não ser identificado como Ubuntu, me parece que não confere.

    • Neliton

      @Rafael Eu não arrumei desculpas, eu analisei números.

  • http://www.facebook.com/Junior.H264 Mario Junior

    O Mint é uma pura “piada”, isso sim!

    • Neliton

      Sei lá @Mario, no fundo eu acho que a comunidade do Mint está lá fazendo o seu papel no intuito de divulgar a sua distro através do Distrowatch, porque viram nisso uma maneira de aparecer, gerar notícia, etc. O problema é quando blogs de tecnologia, com escritores ditos sérios, aceitam como fato o ranking do Distrowatch sem um mínimo de questionamento. Aí já é falta de respeito com o leitor.

  • http://www.facebook.com/Junior.H264 Mario Junior

    O Mint é uma pura “piada”, isso sim!

    • Neliton

      Sei lá @Mario, no fundo eu acho que a comunidade do Mint está lá fazendo o seu papel no intuito de divulgar a sua distro através do Distrowatch, porque viram nisso uma maneira de aparecer, gerar notícia, etc. O problema é quando blogs de tecnologia, com escritores ditos sérios, aceitam como fato o ranking do Distrowatch sem um mínimo de questionamento. Aí já é falta de respeito com o leitor.

  • Amigo

    HUAHUAUHAUHUAHUA

    Essa matéria so pode ser uma piada, o primeiro grafico entao nem se fala KKKKKKKKKKK
    E sobre 2%, caia na real meu camarada, vc forçou, pois todo mundo sabe que nao existe nenhuma manipulaçao, mas sim um numero real apontado pela market shared que diz que o linux nunca sequer chegou a 2%, e nem perto, alias quase sempre ficou em menos de 1%, e o maximo que chegou foi 1,20% se nao me engano

    HUAHUAHUAHUAHUHUA, MORRA DE INVEJA DO WINDOWS E DA MS!

    • JoseRenan

      seu comentário que foi uma piada, meu caro Amigo .

    • Carlos José

      Nada a ver dizer que alguém aqui tem inveja do Windows.

      O que os usuários Linux querem é que mais gente conheça e experimente o Linux.

      A MS vive de empurrar Windows em pessoas que nem sabem que Linux existe, ou você acha que se fosse apenas as escolhas das pessoas a decidir isso o cenário seria o mesmo?

  • Amigo

    [ Comentário editado por não estar de acordo com nossa política de comentários. ]

    • JoseRenan

      seu comentário que foi uma piada, meu caro Amigo .

    • Carlos Carneiro

      Nada a ver dizer que alguém aqui tem inveja do Windows.

      O que os usuários Linux querem é que mais gente conheça e experimente o Linux.

      A MS vive de empurrar Windows em pessoas que nem sabem que Linux existe, ou você acha que se fosse apenas as escolhas das pessoas a decidir isso o cenário seria o mesmo?

  • William Felipe

    Muito bom o artigo, ainda não conhecia o blog, também sou de Santa Catarina – Joinville. Onde Trabalho 95% das estações são Linux Ubuntu, infelizmente estamos amarrados a alguns programas de Banco que rodam apenas em Windows, acredito que o Gnome no meu caso é uma opção melhor, pois já enfrentamos dificuldades com usuários que não estão acostumados com o SO, pois em sua casa sempre é Windows.

    O Gnome tem uma praticidade muito favorável o que torna o uso para os funcionários mais pratico. O gnome-shell é uma boa opção para começar a migrar para o unity, porem acredito que se tornara mais forte com o tempo.

    O Windows 8 vem nesse mesmo embalo do unity, muitos usuários que estão acostumados com windows apenas já deixaram de reclamar pela sua interface extremamente inovadora.

  • William Felipe

    Muito bom o artigo, ainda não conhecia o blog, também sou de Santa Catarina – Joinville. Onde Trabalho 95% das estações são Linux Ubuntu, infelizmente estamos amarrados a alguns programas de Banco que rodam apenas em Windows, acredito que o Gnome no meu caso é uma opção melhor, pois já enfrentamos dificuldades com usuários que não estão acostumados com o SO, pois em sua casa sempre é Windows.

    O Gnome tem uma praticidade muito favorável o que torna o uso para os funcionários mais pratico. O gnome-shell é uma boa opção para começar a migrar para o unity, porem acredito que se tornara mais forte com o tempo.

    O Windows 8 vem nesse mesmo embalo do unity, muitos usuários que estão acostumados com windows apenas já deixaram de reclamar pela sua interface extremamente inovadora.

  • Vaguiner

    Sou mais o windows VISTA.

  • Vaguiner

    Sou mais o windows VISTA.

  • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

    @idemdesign:disqus Passou batido por mim haha… vou corrigir hoje a tarde :)

  • Deivid Rodrigues

    Confesso que fiquei um pouco nervoso com o unity, mas fui me acostumando no Ubuntu 11.10 já estava feliz.
    O fato do linux está crescendo um uso é uma ótima notícia e espero que aumente exponencialmente mas sabemos também que muito deve ser feito no linux para que ele possa conquistar mais usuários, principalmente usuários comuns.
    Espero também que o projeto da Valve dê certo e com isso vários gamers migrem para o Ubuntu, avaliando a questão que é melhor ter um sistema estável e gratuito que pagar por um windows e ainda por seus jogos, usar o Ubuntu seria uma economia.
    O Ubuntu tem muito a evoluir eu ainda quero acompanhar esta evolução.

  • Deivid Rodrigues

    Confesso que fiquei um pouco nervoso com o unity, mas fui me acostumando no Ubuntu 11.10 já estava feliz.
    O fato do linux está crescendo um uso é uma ótima notícia e espero que aumente exponencialmente mas sabemos também que muito deve ser feito no linux para que ele possa conquistar mais usuários, principalmente usuários comuns.
    Espero também que o projeto da Valve dê certo e com isso vários gamers migrem para o Ubuntu, avaliando a questão que é melhor ter um sistema estável e gratuito que pagar por um windows e ainda por seus jogos, usar o Ubuntu seria uma economia.
    O Ubuntu tem muito a evoluir eu ainda quero acompanhar esta evolução.

  • Eduardo Silva

    Realmente o distrowatch é um engano. Como a maioria das pessoas já conhece o Ubuntu, já não clicam na distribuição para ver o que quer que seja. Já em relação ás outras há sempre essa curiosidade. A subida do Mageia no ranking nada tem a ver com a sua utilização. Aliás decepcionou-me bastante, desde a dificuldade de instalação aos imensos bugs.

  • Eduardo Silva

    Realmente o distrowatch é um engano. Como a maioria das pessoas já conhece o Ubuntu, já não clicam na distribuição para ver o que quer que seja. Já em relação ás outras há sempre essa curiosidade. A subida do Mageia no ranking nada tem a ver com a sua utilização. Aliás decepcionou-me bastante, desde a dificuldade de instalação aos imensos bugs.

  • Marcelo

    Neliton,

    Muito boa a sua análise cara, apresentou dados consistentes foi imparcial deixando a sua conclusão ao final bem detalhada.

    Quanto ao unity de fato a primeira coisa que eu disse foi mas que P é essa, mas na versão 12.04 percebi mudanças a tendência é melhorar com o tempo e torna-se maduro, estável e hoje já vejo o unity com bons olhos.

    Parabéns.

    • Neliton

      Grato, @Marcelo. Pra ser franco, o Unity na versão 11.04 era só uma esperança mesmo, pq em termos de usabilidade e velocidade era um desastre, sem falar nos bugs. Mas o que pouca gente se lembra é que colocar o Unity naquela versão já foi em si um milagre. Os desenvolvedores tiveram apenas 6 meses para adaptar a versão do Unity para netbooks para a versão desktop.

  • http://www.marcelocarvalho.com/ Marcelo

    Neliton,

    Muito boa a sua análise cara, apresentou dados consistentes foi imparcial deixando a sua conclusão ao final bem detalhada.

    Quanto ao unity de fato a primeira coisa que eu disse foi mas que P é essa, mas na versão 12.04 percebi mudanças a tendência é melhorar com o tempo e torna-se maduro, estável e hoje já vejo o unity com bons olhos.

    Parabéns.

    • Neliton

      Grato, @Marcelo. Pra ser franco, o Unity na versão 11.04 era só uma esperança mesmo, pq em termos de usabilidade e velocidade era um desastre, sem falar nos bugs. Mas o que pouca gente se lembra é que colocar o Unity naquela versão já foi em si um milagre. Os desenvolvedores tiveram apenas 6 meses para adaptar a versão do Unity para netbooks para a versão desktop.

  • FGA

    odeio o unity. sempre q instalo o ubuntu ja vou direto pro gnome shell.

  • FGA

    odeio o unity. sempre q instalo o ubuntu ja vou direto pro gnome shell.

  • Neliton

    Conheço os dados do w3schools, mas acho que há algo errado com eles. Ali o Linux subiu de forma constante a 5% e ficou neste patamar desde o final de 2010. Dá a impressão de que os números do Linux foram artificialmente aumentados e, ao chegar nos 5%, o pessoal resolveu parar de inflacionar os números até que aqueles 5% se tornem realidade.

    Já no W3Counter (que é outra coisa), o Linux vem apresentando uma participação constante de pouco mais de 1,5% há muitos anos, estando hoje em 1,75%.

  • Neliton

    Conheço os dados do w3schools, mas acho que há algo errado com eles. Ali o Linux subiu de forma constante a 5% e ficou neste patamar desde o final de 2010. Dá a impressão de que os números do Linux foram artificialmente aumentados e, ao chegar nos 5%, o pessoal resolveu parar de inflacionar os números até que aqueles 5% se tornem realidade.

    Já no W3Counter (que é outra coisa), o Linux vem apresentando uma participação constante de pouco mais de 1,5% há muitos anos, estando hoje em 1,75%.

  • http://www.facebook.com/barbaratostes Barbara Tostes

    Legal a matéria! É uma pena que os governos (estaduais, municipais…) ainda não estejam obrigando as instituições a usarem LINUX! E, nas escolas, UBUNTU, de preferência!

    • Neliton

      Obrigado, @facebook-1601348299:disqus. A questão do uso de software livre pelos órgãos do Estado não é só uma questão de economia, mas também de soberania. Há uns 10 anos atrás, tentou-se utilizar o software livre nos órgãos do governo estadual do aqui do Paraná. Lembro que houve uma reação muito contrária por parte dos servidores e, parece, voltaram a usar programas proprietários.

      Acredito que hoje a situação seja diferente. O software livre como um todo evoluiu muito, não só o Linux e as distribuições. E temos aí o LibreOffice, que não dá pra comparar com o que tínhamos há 10 anos atrás, quando a primeira versão do OpenOffice foi lançada. Então, a cada dia que passa, fica realmente mais difícil justificar o uso programas proprietários pelos entes públicos. Para mudar isso, entretanto, deve haver vontade política (complicou?), planejamento minucioso da transição pelo pessoal de TI e treinamento dos usuários.

  • http://www.facebook.com/barbaratostes Barbara Tostes

    Legal a matéria! É uma pena que os governos (estaduais, municipais…) ainda não estejam obrigando as instituições a usarem LINUX! E, nas escolas, UBUNTU, de preferência!

    • Neliton

      Obrigado, @facebook-1601348299:disqus. A questão do uso de software livre pelos órgãos do Estado não é só uma questão de economia, mas também de soberania. Há uns 10 anos atrás, tentou-se utilizar o software livre nos órgãos do governo estadual do aqui do Paraná. Lembro que houve uma reação muito contrária por parte dos servidores e, parece, voltaram a usar programas proprietários.

      Acredito que hoje a situação seja diferente. O software livre como um todo evoluiu muito, não só o Linux e as distribuições. E temos aí o LibreOffice, que não dá pra comparar com o que tínhamos há 10 anos atrás, quando a primeira versão do OpenOffice foi lançada. Então, a cada dia que passa, fica realmente mais difícil justificar o uso programas proprietários pelos entes públicos. Para mudar isso, entretanto, deve haver vontade política (complicou?), planejamento minucioso da transição pelo pessoal de TI e treinamento dos usuários.

  • Mateusln

    Interessante, nesse período de queda foi justamente a época que eu usava o Gnome Shell (com essa ideia das extensoes ficou show) como padrão, na versao 11.04 e 11.10 o unity já tinha algumas coisas boas mas ainda achava ele pesado e pouco prático prático pra desktop, ele me conquistou na 12.04.

  • Mateusln

    Interessante, nesse período de queda foi justamente a época que eu usava o Gnome Shell (com essa ideia das extensoes ficou show) como padrão, na versao 11.04 e 11.10 o unity já tinha algumas coisas boas mas ainda achava ele pesado e pouco prático prático pra desktop, ele me conquistou na 12.04.

  • Mateusln

    A versao 11.04 do unity era mais feia que a unity que vinha na 10.10 para netbooks, era muito beta apesar de ser um pouco mais leve (pelo menos no meu netbook), mas dai pra frente só melhorou.

  • Rafael Gil

    Olha, depois que atualizei para o Ubuntu 12.04 x64, vários sites me identificam como Linux X64 “Genérico”. Não sei direito o porque, mas continuo usando o Unity. Acredito que seja esse o problema, quem só atualizou a partir de versões antigas não é reconhecido direito.

  • Rafael Gil

    Olha, depois que atualizei para o Ubuntu 12.04 x64, vários sites me identificam como Linux X64 “Genérico”. Não sei direito o porque, mas continuo usando o Unity. Acredito que seja esse o problema, quem só atualizou a partir de versões antigas não é reconhecido direito.

  • Marcus

    Você falou w3c e postou um link para w3schools… São coisas *bem* diferentes.

  • Marcus

    Você falou w3c e postou um link para w3schools… São coisas *bem* diferentes.

  • Marcelo

    Hehe Agora pros ubuntuzeiros o ranking da Distrowatch é manipulável. Antes não era não! Mas pelo jeito incomoda. kkkkk
    “Unity, jogada vitoriosa”? Faz me rir.

  • Marcelo

    Hehe Agora pros ubuntuzeiros o ranking da Distrowatch é manipulável. Antes não era não! Mas pelo jeito incomoda. kkkkk
    “Unity, jogada vitoriosa”? Faz me rir.

  • Marcelo Medeiros Soares

    Muito bom.

  • Marcelo Medeiros Soares

    Muito bom.

  • Fabio

    Agradeço ao Unity do Ubuntu por ter sido lançado. Graças a ele estou feliz com meu Arch e aprendendo muito sobre linux com essa distro. Também perdi o impulso de ficar atualizando o sistema inteiro toda vez que se lança uma versão nova. Criei bons hábitos e minha partição linux vale muito devido ao histórico da construção.
    A unica coisa que gostei no Unity foi o efeito de desfocagem gaussiana em suas janelas. Poxa … bem que o o openbox e o tint2 podiam ter isto.

    • Neliton

      Legal Fabio. O Arch é uma distribuição sensacional, principalmente pra quem quer mergulhar no aprendizado do Linux.

  • Fabio

    Agradeço ao Unity do Ubuntu por ter sido lançado. Graças a ele estou feliz com meu Arch e aprendendo muito sobre linux com essa distro. Também perdi o impulso de ficar atualizando o sistema inteiro toda vez que se lança uma versão nova. Criei bons hábitos e minha partição linux vale muito devido ao histórico da construção.
    A unica coisa que gostei no Unity foi o efeito de desfocagem gaussiana em suas janelas. Poxa … bem que o o openbox e o tint2 podiam ter isto.

    • Neliton

      Legal Fabio. O Arch é uma distribuição sensacional, principalmente pra quem quer mergulhar no aprendizado do Linux.

  • http://www.facebook.com/tiagopgabriel Tiago Gabriel

    Logo no início do lançamento do Unity eu realmente mudei de ambiente gráfico, não que não gostasse dele, mas porque era pesado, daí eu usava lxde e gnome classico. Até cheguei a experimentar outras distros mas nunca abandonei o Ubuntu.

  • Tiago Gabriel

    Logo no início do lançamento do Unity eu realmente mudei de ambiente gráfico, não que não gostasse dele, mas porque era pesado, daí eu usava lxde e gnome classico. Até cheguei a experimentar outras distros mas nunca abandonei o Ubuntu.

  • Sergio Santana

    As resistências iniciais são esperadas diante de qualquer mudança significativa. Foi o que aconteceu com o surgimento do Unity. Mas, com o seu amadurecimento, não reconhecer sua qualidade me parece uma atitude de quem não pretende se abrir ao novo e suas potencialidades.

  • http://twitter.com/JeffersonFern53 Jefferson Fernandes

    Como disse o amigo Sergio Santana, as resistência sempre são esperadas, foi o que aconteceu com o Micro$oftOffice 2007, como o r’Window$ 7, provavelmente é o que vai acontecer com o r’Window$ 8. Isso não seria diferente com os usuários Linux.

  • http://twitter.com/JeffersonFern53 Jefferson Fernandes

    Como disse o amigo Sergio Santana, as resistência sempre são esperadas, foi o que aconteceu com o Micro$oftOffice 2007, como o r’Window$ 7, provavelmente é o que vai acontecer com o r’Window$ 8. Isso não seria diferente com os usuários Linux.

  • Denis

    Passada a turbulência inicial, considero o Unity um ambiente interessante: é simples, agradável de usar e acredito que seja bem intuitivo pra usuários iniciantes no Linux. E outra, tem cara de produto mesmo pelo excelente acabamento. Mas, infelizmente, ele ainda não é pra mim: a performance deixa um pouco a desejar e sinto que o sistema ainda está um tanto engessado. Faltam ferramentas de configuração, pois eu acabava baixando vários utilitários pra configurar alguns detalhes, como por exemplo, para desativar o touchpad quando tivesse um mouse USB conectado no notebook. Na minha opinião, o Gnome 2 ainda é um exemplo a ser seguido em termos de equilíbrio entre ser simples e configurável. Lógico que isso é a realidade atual pra mim porque eu tenho certeza que o Unity vai chegar lá. Enquanto isso não acontece, voltei a usar o KDE, que eu costumava utilizar antes de começar a usar o Ubuntu, e fiquei bem surpreso com a excelente performance e bem feliz por ter conseguido configurar vários detalhes pra deixá-lo do jeito que eu queria. E o melhor, grande parte do que eu configurei foi através do System Settings, de ferramentas nativas do próprio ambiente.

    • Neliton

      Olá @denakitan:disqus. Eu concordo com tudo que você disse sobre o Unity!

  • Denis

    Passada a turbulência inicial, considero o Unity um ambiente interessante: é simples, agradável de usar e acredito que seja bem intuitivo pra usuários iniciantes no Linux. E outra, tem cara de produto mesmo pelo excelente acabamento. Mas, infelizmente, ele ainda não é pra mim: a performance deixa um pouco a desejar e sinto que o sistema ainda está um tanto engessado. Faltam ferramentas de configuração, pois eu acabava baixando vários utilitários pra configurar alguns detalhes, como por exemplo, para desativar o touchpad quando tivesse um mouse USB conectado no notebook. Na minha opinião, o Gnome 2 ainda é um exemplo a ser seguido em termos de equilíbrio entre ser simples e configurável. Lógico que isso é a realidade atual pra mim porque eu tenho certeza que o Unity vai chegar lá. Enquanto isso não acontece, voltei a usar o KDE, que eu costumava utilizar antes de começar a usar o Ubuntu, e fiquei bem surpreso com a excelente performance e bem feliz por ter conseguido configurar vários detalhes pra deixá-lo do jeito que eu queria. E o melhor, grande parte do que eu configurei foi através do System Settings, de ferramentas nativas do próprio ambiente.

    • Neliton

      Olá @denakitan:disqus. Eu concordo com tudo que você disse sobre o Unity!

  • ric

    Seria bom colocar o link das fontes não acha? Sr. Neliton Pereira Junior.
    Em um determinado momento que lia este poste, me veio na cabeça um pastor defendendo sua igreja.

    • Mr__Big

      “me veio na cabeça um pastor defendendo sua igreja.”
      isso vindo de um usuário linux é ate irônico…

      • Frederico

        Será que é tão difícil interpretar o que foi dito, ele estava falando com relação a defesa de posição do Ubuntu. Você não leu o post não? Ou leu e não entendeu?
        Afff.

  • ric

    Seria bom colocar o link das fontes não acha? Sr. Neliton Pereira Junior.
    Em um determinado momento que lia este poste, me veio na cabeça um pastor defendendo sua igreja.

    • Neliton

      Minha intenção não foi fazer apologia ao Unity, mas mostrar o efeito que ele causou no mercado interno do Linux. Eu sou antes de mais nada um entusiasta do software livre, e francamente não consigo compreender rixas e rivalidades entre distribuições que estão todas num mesmo barco. Então se eu tenho uma fé, é no software livre.

      Quanto às fontes, elas faziam parte do artigo que originalmente foi enviado ao blog, mas não me custa repeti-las aqui:

      Wikimedia Traffic Analysis Reports: http://stats.wikimedia.org/archive/squid_reports/ (escolha o ano/mês, depois selecione o link para relatório sobre sistemas operacionais).

      Stat Owl:
      http://www.statowl.com/operating_system_market_share_by_os_version_trend.php?1=1&timeframe=last_6&interval=month&chart_id=13&fltr_br=&fltr_os=&fltr_se=&fltr_cn=&limit=linux&timeframe=last_12

      • Fábio

        Sinto muito, mas também acho que os links das fontes deveriam ter sido colocadas no texto, que inclusive tem vários apontamentos, na minha humilde opinião esquecimento não foi. Porquê esta diferença?
        E é porque eram as fontes principais, imagine o que será das outras?

        -1

        • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

          @7013e5278e3bbcf97779ed517c3c0dc9:disqus Retirei os links porque as fontes foram citadas inúmeras vezes no artigo, basta a pessoa ter vontade e pesquisar.

          • Fábio

            @julian_fern:disqus
            Por que vocês então enviam o link de vocês, quando postam algo no Vol ou no BR-Linux, etc, já que as pessoas se quiserem podem pesquisar?

          • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

            @7013e5278e3bbcf97779ed517c3c0dc9:disqus Divulgação, simples. Já no caso das fontes aqui, foram as fontes usadas para obter os dados, que estão citadas por todo o texto.

            Mas já que reclamam tanto por algo tão pequeno, editarei o post e farei a adição dos links.

          • ric

            @julian_fern:disqus Ridículo isso que você fez sabemos que não pega bem para o autor.
            Divulgação simples? Você tem idéia do que é ter links em sites com números de visitas como o VOL e o BR-Linux?
            Veja abaixo quem se interessar:

            http://urlpulso.com.br/www.vivaolinux.com.br
            http://urlpulso.com.br/www.br-linux.org

          • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

            @1c4e83f6cc381992cd8e4e49e13eac4b:disqus Detalhe para a vírgula depois do “divulgação”. O que quer dizer que o motivo do porque postamos por lá é simples, a divulgação. Sem contar a amizade que temos com os donos dos portais.

            Quanto aos links, fontes devem ser citadas quando um post é baseada em um post de outro pessoa, na minha opinião. Quando fazemos tradução de um post de um blog americano por exemplo, adicionamos as fontes, mas no caso deste post, o post, opiniões e etc são de autoria o autor, que usou as fontes para obter os números… e as fontes foram citadas, mais de uma vez.

            De qualquer forma, os links estão no final do post, já que consideram o que fiz um erro.

          • Fábio

            @julian_fern:disqus Não concordo com nada do que você falou. Você está todo errado e quanto mais tenta se justificar pior fica.

          • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

            @7013e5278e3bbcf97779ed517c3c0dc9:disqus Não estou tentando me justificar, estou mostrando os fatos. As fontes FORAM citadas inúmeras vezes no texto. Se o usuário quiserem comprar se os dados do @Neliton:disqus são reais, basta acessar as fontes.

            De qualquer forma, os links que pediram estão no final do texto e dou essa discussão como encerrada. Aos que se sentiram ofendidos, peço desculpas.

          • http://twitter.com/ecatarina Emerson

            Entendo este post como um artigo científico, e nesse caso, SIM, as fontes são primordiais … apesar de que as wikis da vida não são consideradas fontes aceitáveis, mas ainda assim são as fontes que embasaram o trabalho do autor.

          • Guest

            @ric De toda essa confusão, só gostaria de observar que para se fazer uma crítica ou apontar um erro (de que ninguém está livre), é completamente desnecessário dar aquela “esculachada básica”. O Julian é um cara que faz um trabalho sensacional neste blog e fora dele na divulgação do software livre e que, por isto, merece respeito.

            Então a coisa é bem simples, críticas são mais que bem-vindas, mas falta de respeito não. Vamos cuidar mais de como dizemos as coisas, porque todo mundo ganha com isto.

          • Neliton

            De toda essa confusão, só gostaria de observar que para se fazer uma crítica ou apontar um erro (de que ninguém está livre), é completamente desnecessário dar aquela “esculachada básica”. O Julian é um cara que faz um trabalho sensacional neste blog e fora dele na divulgação do software livre e que, por isto, merece respeito.

            Então a coisa é bem simples, críticas são mais que bem-vindas, mas falta de respeito não. Vamos cuidar mais de como dizemos as coisas, porque todo mundo ganha com isto.

          • ric

            @Neliton:disqus Quem faltou com respeito aqui? Ninguém, pois se isso tivesse acontecido teria sido editado pela moderação. A única coisa aqui que chegou perto de falta de respeito foi o fato de o artigo ter uma porção de links pro próprio site e não ter para as fontes principais, isso qualquer um pode perceber. E digo mais, essa discussão só aconteceu porque no lugar de reconhecerem o erro quando o mesmo foi apontado ficaram tentando justificar.
            Sem mais.

    • Mr__Big

      “me veio na cabeça um pastor defendendo sua igreja.”
      isso vindo de um usuário linux é ate irônico…

      • Frederico

        Será que é tão difícil interpretar o que foi dito, ele estava falando com relação a defesa de posição do Ubuntu. Você não leu o post não? Ou leu e não entendeu?
        Afff.

  • Bruno Giubilei

    Mais uma vez me surpreendo com os sulistas, que site bom cara! parabéns desde já pelo ótimo post. Migrei do Windows para a distro 9.04 um pouco antes do lançamento do 10.10 que foi notávelmente a versão mais estável linux que utilizei, não sou um fanático do gnome2, mas em produção prefiro as características padrões windows, já que fui acostumado com esse padrão de interface desde que fui apresentado a um pc com windows 95, quando foi feita a troca para o unity e explodiu na net a discórdia, também vi soluções que trocavam o ambiente de trabalho, se não fosse essa troca não teria continuado com Linux, pois aumentei e amadureci nestes 2 anos minha base de dados em relação a tudo isso, tanto que quando foi lançada a versão 11.10 e vi que o unity não teria sido solidificado o bastante para me convencer que aquilo era bom para mim, voltei a usar o Windows, ficando fora do Ubuntu até descobrir o Linux Mint no começo do ano e voltar de vez para o Linux venho batendo cabeça e me adaptando em produtividade com os bugs, limitações, preconceitos(dhsuahdua não podia deixar de fora isso!) do Linux, sei que pessoas mais experientes conseguem lidar muito bem com isto e até mesmo utilizar o Linux como PC sem dar a menor importância as melhorias e facilidades do Windows, mas depois do seu post @Neliton:disqus, vc plantou na minha cabeça a sementinha do mal cara, vai me fazer formatar o PC de novo(para a alegria de todos, shaushua) estou no fim do desenvolvimento do meu TCC, e estou perseverante no Linux para me auxiliar na ‘fazedura’ do mesmo, se o unity começar a dar trabalho, vou voltar aqui e esculachar a todos,sjiausjiajsia zuera! essa época não está sendo fácil…no decorrer da transição se voce continuar nesse tema prometo que comento aqui minhas esperiencias, ^^ no mais, agradeço por toda informação compartilhada e vejo que foi a melhor coisa ter começado a acompanhar vcs! abraços!

  • Bruno Giubilei

    Mais uma vez me surpreendo com os sulistas, que site bom cara! parabéns desde já pelo ótimo post. Migrei do Windows para a distro 9.04 um pouco antes do lançamento do 10.10 que foi notávelmente a versão mais estável linux que utilizei, não sou um fanático do gnome2, mas em produção prefiro as características padrões windows, já que fui acostumado com esse padrão de interface desde que fui apresentado a um pc com windows 95, quando foi feita a troca para o unity e explodiu na net a discórdia, também vi soluções que trocavam o ambiente de trabalho, se não fosse essa troca não teria continuado com Linux, pois aumentei e amadureci nestes 2 anos minha base de dados em relação a tudo isso, tanto que quando foi lançada a versão 11.10 e vi que o unity não teria sido solidificado o bastante para me convencer que aquilo era bom para mim, voltei a usar o Windows, ficando fora do Ubuntu até descobrir o Linux Mint no começo do ano e voltar de vez para o Linux venho batendo cabeça e me adaptando em produtividade com os bugs, limitações, preconceitos(dhsuahdua não podia deixar de fora isso!) do Linux, sei que pessoas mais experientes conseguem lidar muito bem com isto e até mesmo utilizar o Linux como PC sem dar a menor importância as melhorias e facilidades do Windows, mas depois do seu post @Neliton:disqus, vc plantou na minha cabeça a sementinha do mal cara, vai me fazer formatar o PC de novo(para a alegria de todos, shaushua) estou no fim do desenvolvimento do meu TCC, e estou perseverante no Linux para me auxiliar na ‘fazedura’ do mesmo, se o unity começar a dar trabalho, vou voltar aqui e esculachar a todos,sjiausjiajsia zuera! essa época não está sendo fácil…no decorrer da transição se voce continuar nesse tema prometo que comento aqui minhas esperiencias, ^^ no mais, agradeço por toda informação compartilhada e vejo que foi a melhor coisa ter começado a acompanhar vcs! abraços!

    • Neliton

      Obrigado, @google-f0bc8b9581e5053460315263b3850f67:disqus, seja bem-vindo ao blog Ubuntu-BR-SC! Temos um tutorial bem interessante aqui, escrito pelo Tiago Hillebrant, que pode ser bastante útil na “fazedura” do seu TCC: http://www.ubuntubrsc.com/formatacao-de-trabalhos-academicos-no-libreoffice.html.

      Como tradutor do Ubuntu, é lógico que eu fico feliz que você esteja dando uma nova chance ao Unity. Mas o curioso é que neste artigo não foi minha intenção fazer apologia ao desktop padrão do Ubuntu. Eu tentei fazer uma análise objetiva do efeito que o seu lançamento provocou dentro do mercado interno do Linux.

      Como usuário, o que eu posso lhe dizer é há algumas coisas que ainda me incomodam no Unity, mas estabilidade atualmente não é uma delas. Aliás, não só o ambiente de trabalho, mas o sistema como um todo na versão LTS tem se revelado muito estável.

      Um abraço!

  • Joca Liberato

    A Roupa Nova do Rei.
    Utilizo a versão 10.04 LTS, em produção – quero dizer: em processo de trabalho normal e cotidiano – em que requisitos tais como confiabilidade, disponibilidade, estabilidade, facilidade de uso, segurança, etc são fundamentais. Tenho meus clientes, usuários também da confiável, estável, fácil e segura Lucid Lynx…
    Fiz a instalação para teste da primeira revisão 12.04.1, uma LTS que se supõe devidamente estabilizada e qual não foi minha surpresa?! Estamos nos aproximando do Janelas, afinal! Nunca vi tantos erros de aplicativos, relatórios de falhas, alé da incompatibilidade com o Lotus Notes 8.5 (que rodava perfeitamente no Lucid Lynx… Estamos falando de modelo de negócio, de uso sério e produtivo do computador! Não importa se a interface é bonita! importa é a qualidade intrínseca do produto que atende aos seus clientes. Não interessa o quanto os tais números estejam sendo manipulados, o assunto que me toca é que para mim, para meus clientes e para os processos produtivos em que os computadores são utilizados, esta nova versão do Ubuntu não presta!
    O Rei está nu!

    • Neliton

      Eu trabalho usando o Precise desde o seu lançamento, portanto meu uso é também é “sério e produtivo”. Não posso falar quanto ao Notes, porque não uso, mas de resto o sistema é tão estável quando era de se esperar de uma versão LTS. Já tentou buscar ajuda para ver o que pode estar acontecendo no seu caso específico, ou pra você dizer que o sistema não presta é suficiente?

  • Joca Liberato

    A Roupa Nova do Rei.
    Utilizo a versão 10.04 LTS, em produção – quero dizer: em processo de trabalho normal e cotidiano – em que requisitos tais como confiabilidade, disponibilidade, estabilidade, facilidade de uso, segurança, etc são fundamentais. Tenho meus clientes, usuários também da confiável, estável, fácil e segura Lucid Lynx…
    Fiz a instalação para teste da primeira revisão 12.04.1, uma LTS que se supõe devidamente estabilizada e qual não foi minha surpresa?! Estamos nos aproximando do Janelas, afinal! Nunca vi tantos erros de aplicativos, relatórios de falhas, alé da incompatibilidade com o Lotus Notes 8.5 (que rodava perfeitamente no Lucid Lynx… Estamos falando de modelo de negócio, de uso sério e produtivo do computador! Não importa se a interface é bonita! importa é a qualidade intrínseca do produto que atende aos seus clientes. Não interessa o quanto os tais números estejam sendo manipulados, o assunto que me toca é que para mim, para meus clientes e para os processos produtivos em que os computadores são utilizados, esta nova versão do Ubuntu não presta!
    O Rei está nu!

    • Neliton

      Eu trabalho usando o Precise desde o seu lançamento, portanto meu uso é também é “sério e produtivo”. Não posso falar quanto ao Notes, porque não uso, mas de resto o sistema é tão estável quando era de se esperar de uma versão LTS. Já tentou buscar ajuda para ver o que pode estar acontecendo no seu caso específico, ou pra você dizer que o sistema não presta é suficiente?

  • Marcos Bitetti

    Realmente muito bom o artigo.
    Mas reparei que falaram aqui sobre os dados da w3c de navegadores onde você tem o Linux com uns 5%, eu suponho que deve haver uma média entre esses dados não?
    Por exemplo eu acesso mais os sites wiki durante o trabalho a procura de referências, já em casa acesso mais sites de lazer e se eu faço assim imagino que um grande número de usuários também o façam.

    Claro se pudesse optar eu permaneceria com Ubuntu 100% do tempo, pois o ambiente de trabalho é muito melhor.

    • Neliton

      Infelizmente não dá pra tirar “uma média” assim, Marcos. Cada site tem uma base de dados diferente, bem como uma maneira diferente de utilizá-los para efeito de estatística.

  • Marcos Bitetti

    Realmente muito bom o artigo.
    Mas reparei que falaram aqui sobre os dados da w3c de navegadores onde você tem o Linux com uns 5%, eu suponho que deve haver uma média entre esses dados não?
    Por exemplo eu acesso mais os sites wiki durante o trabalho a procura de referências, já em casa acesso mais sites de lazer e se eu faço assim imagino que um grande número de usuários também o façam.

    Claro se pudesse optar eu permaneceria com Ubuntu 100% do tempo, pois o ambiente de trabalho é muito melhor.

    • Neliton

      Infelizmente não dá pra tirar “uma média” assim, Marcos. Cada site tem uma base de dados diferente, bem como uma maneira diferente de utilizá-los para efeito de estatística.

  • Cícero Moraes

    Muito bom o artigo, leitura agradável e bastante esclarecedora.

  • Cícero Moraes

    Muito bom o artigo, leitura agradável e bastante esclarecedora.

  • Fábio

    Sinto muito, mas também acho que os links das fontes deveriam ter sido colocadas no texto, que inclusive tem vários apontamentos, na minha humilde opinião esquecimento não foi. Porquê esta diferença?
    E é porque eram as fontes principais, imagine o que será das outras?

    -1

    • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

      @7013e5278e3bbcf97779ed517c3c0dc9:disqus Retirei os links porque as fontes foram citadas inúmeras vezes no artigo, basta a pessoa ter vontade e pesquisar.

  • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

    @7013e5278e3bbcf97779ed517c3c0dc9:disqus Divulgação, simples. Já no caso das fontes aqui, foram as fontes usadas para obter os dados, que estão citadas por todo o texto.

    Mas já que reclamam tanto por algo tão pequeno, editarei o post e farei a adição dos links.

  • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

    @1c4e83f6cc381992cd8e4e49e13eac4b:disqus Detalhe para a vírgula depois do “divulgação”. O que quer dizer que o motivo do porque postamos por lá é simples, a divulgação. Sem contar a amizade que temos com os donos dos portais.

    Quanto aos links, fontes devem ser citadas quando um post é baseada em um post de outro pessoa, na minha opinião. Quando fazemos tradução de um post de um blog americano por exemplo, adicionamos as fontes, mas no caso deste post, o post, opiniões e etc são de autoria o autor, que usou as fontes para obter os números… e as fontes foram citadas, mais de uma vez.

    De qualquer forma, os links estão no final do post, já que consideram o que fiz um erro.

    • Fábio

      @julian_fern:disqus Não concordo com nada do que você falou. Você está todo errado e quanto mais tenta se justificar pior fica.

      • http://www.ubuntubrsc.com/ Julian Fernandes

        @7013e5278e3bbcf97779ed517c3c0dc9:disqus Não estou tentando me justificar, estou mostrando os fatos. As fontes FORAM citadas inúmeras vezes no texto. Se o usuário quiserem comprar se os dados do @Neliton:disqus são reais, basta acessar as fontes.

        De qualquer forma, os links que pediram estão no final do texto e dou essa discussão como encerrada. Aos que se sentiram ofendidos, peço desculpas.

    • http://twitter.com/ecatarina Emerson

      Entendo este post como um artigo científico, e nesse caso, SIM, as fontes são primordiais … apesar de que as wikis da vida não são consideradas fontes aceitáveis, mas ainda assim são as fontes que embasaram o trabalho do autor.

  • Miguel Freire

    “…a utilização de um ambiente de trabalho diferente do padrão, como o Gnome 3, LXDE, , faria com que um sistema Ubuntu caísse na categoria genérica de “Outras”.
    Então
    o que muito provavelmente aconteceu, é que a grande maioria dos
    usuários que deixaram de ser identificados como usuários do Ubuntu não estavam usando outras distribuições, mas outro ambiente de trabalho.. …”

    Bom, se eu estou usando Ubuntu ,para mim, não importa qual ambiente gráfico estou usando, continua sendo Ubuntu. Mas se a pesquisa somente aponta como Unity, o padrão do Ubuntu, ela deveria ir um pouco mais alem e entender , qual o SO utilizado, e não o ambiente gráfico, pois o Ubuntu permite a utilização de outros ambientes.
    E isso que faz com que continue usando ,pois permite instalar o que eu quiser. Não tenho nenhum problema com Unity (ele da uns errinhos ,mas tolerável).Até que por então, não larguei o Gnome 2 e o Shell. Quando quero usar um ou outro ,vai depender do meu humor e o que eu quero fazer no momento . A liberdade que temos neste SO é sem igual ,pois , quem migrou do Windows (ainda tenho dual-boot), que tínhamos que suportar o mesmo ambiente por anos a fio, a cada vez que o PC é iniciado, no Ubuntu ,podemos escolher o que quiser e ,será sempre Ubuntu. Um dos enormes detalhes que me chama atenção.

    A matéria ,excelente, muito explicativa. Parabens!!Independentemente , se o Ubuntu caiu ou subiu , se esta mais ou menos utilizado, o importante ,é que você se sinta bem com o SO que você usa. Para mim, continuarei utilizando Ubuntu ,e vou adapta-lo as minhas necessidades.
    Versão 12.04 , muito boa , leve pratica ,rápida ,com travamentos em algumas coisas , mas qual o SO que não acontece isso? Ubuntu Forever!!!!

  • Miguel Freire

    “…a utilização de um ambiente de trabalho diferente do padrão, como o Gnome 3, LXDE, , faria com que um sistema Ubuntu caísse na categoria genérica de “Outras”.
    Então
    o que muito provavelmente aconteceu, é que a grande maioria dos
    usuários que deixaram de ser identificados como usuários do Ubuntu não estavam usando outras distribuições, mas outro ambiente de trabalho.. …”

    Bom, se eu estou usando Ubuntu ,para mim, não importa qual ambiente gráfico estou usando, continua sendo Ubuntu. Mas se a pesquisa somente aponta como Unity, o padrão do Ubuntu, ela deveria ir um pouco mais alem e entender , qual o SO utilizado, e não o ambiente gráfico, pois o Ubuntu permite a utilização de outros ambientes.
    E isso que faz com que continue usando ,pois permite instalar o que eu quiser. Não tenho nenhum problema com Unity (ele da uns errinhos ,mas tolerável).Até que por então, não larguei o Gnome 2 e o Shell. Quando quero usar um ou outro ,vai depender do meu humor e o que eu quero fazer no momento . A liberdade que temos neste SO é sem igual ,pois , quem migrou do Windows (ainda tenho dual-boot), que tínhamos que suportar o mesmo ambiente por anos a fio, a cada vez que o PC é iniciado, no Ubuntu ,podemos escolher o que quiser e ,será sempre Ubuntu. Um dos enormes detalhes que me chama atenção.

    A matéria ,excelente, muito explicativa. Parabens!!Independentemente , se o Ubuntu caiu ou subiu , se esta mais ou menos utilizado, o importante ,é que você se sinta bem com o SO que você usa. Para mim, continuarei utilizando Ubuntu ,e vou adapta-lo as minhas necessidades.
    Versão 12.04 , muito boa , leve pratica ,rápida ,com travamentos em algumas coisas , mas qual o SO que não acontece isso? Ubuntu Forever!!!!

  • Joao Luiz Liberato

    Unity e a Roupa Nova do Rei:
    Sim, acho que peguei pesado… Não me oponho à inovação, mas a gente precisa considerar os nossos usuários que usam, digamos: utilitariamente o computador – seres humanos, como era antigamente – e suas características próprias de resistência natural às mudanças. Tenho vários amigos que consegui convencer a mudança de paradigma, saindo das velhas e históricas “janelas”… agora vou chegar pra eles e dizer que tudo vai mudar outra vez? Não é somente isto: vou substituir algo que funciona como um relógio suiço por um sistema que entre as novidades apresentadas estão notificações de “relatórios de falhas” – experimentei e constatei isto em diversos “sabores” (e todos foram amargos): Ubuntu com Unity, Unity 2D, Gnome Classic, XFCE, Mate… em várias máquinas também. Claro: não desconsidere as aplicações do usuário! não menospreze as necessidades do seu cliente! Precisa funcionar com o Lotus Notes, sim!
    Atenção: sou Ubuntero, não vou mudar de time, mas se o Rei está nu, é melhor que sejamos nós mesmos a perceber e atuar para melhorar o que tem sido excelente até agora.
    Um abraço,
    JL

  • Joao Luiz Liberato

    Unity e a Roupa Nova do Rei:
    Sim, acho que peguei pesado… Não me oponho à inovação, mas a gente precisa considerar os nossos usuários que usam, digamos: utilitariamente o computador – seres humanos, como era antigamente – e suas características próprias de resistência natural às mudanças. Tenho vários amigos que consegui convencer a mudança de paradigma, saindo das velhas e históricas “janelas”… agora vou chegar pra eles e dizer que tudo vai mudar outra vez? Não é somente isto: vou substituir algo que funciona como um relógio suiço por um sistema que entre as novidades apresentadas estão notificações de “relatórios de falhas” – experimentei e constatei isto em diversos “sabores” (e todos foram amargos): Ubuntu com Unity, Unity 2D, Gnome Classic, XFCE, Mate… em várias máquinas também. Claro: não desconsidere as aplicações do usuário! não menospreze as necessidades do seu cliente! Precisa funcionar com o Lotus Notes, sim!
    Atenção: sou Ubuntero, não vou mudar de time, mas se o Rei está nu, é melhor que sejamos nós mesmos a perceber e atuar para melhorar o que tem sido excelente até agora.
    Um abraço,
    JL

  • http://twitter.com/ecatarina Emerson

    Na verdade, eu troquei para o Fedora pra testar o Gnome-Shell, aí cansei de algumas coisas chatas do fedora, voltei e instalei o Lubuntu e a seguir coloquei o Gnome-Shell … resolvi meu problema. Gosto da parte “baixa” do Ubuntu, mas não gosto da interface padrão, e isso resolvi instalando outra.

    Mas, a bem da verdade … será que uma interface cheia de efeitos, etc é tão importante, se na maior parte do tempo você vai estar utilizando um aplicativo que é compatível com qualquer uma? Será q o LXDE não seria o suficiente?

    • Neliton

      Acho que o LXDE pode ser suficiente, claro, dependendo do gosto do cidadão. Mas com a evolução do hardware, praticamente qualquer computador adquirido hoje consegue manipular os efeitos visuais que acabam dando uma melhor experiência ao usuário. Então é de se pensar até que ponto vale a pena ser minimalista com um ambiente como o LXDE, se a sua máquina não tem problemas com o Gnome Shell, que além de ter um visual moderno, tem mais recursos e uma melhor integração do sistema.

  • Neliton

    De toda essa confusão, só gostaria de observar que para se fazer uma
    crítica ou apontar um erro (de que ninguém está livre), é completamente
    desnecessário dar aquela “esculachada básica”. O Julian é um cara que
    faz um trabalho sensacional neste blog e fora dele na divulgação do
    software livre e que, por isto, merece respeito.

    Então a coisa é bem simples, críticas são mais que bem-vindas, mas
    falta de respeito não. Vamos cuidar mais de como dizemos as coisas,
    porque todo mundo ganha com isto.

    • ric

      @Neliton:disqus Quem faltou com respeito aqui? Ninguém, pois se isso tivesse acontecido teria sido editado pela moderação. A única coisa aqui que chegou perto de falta de respeito foi o fato de o artigo ter uma porção de links pro próprio site e não ter para as fontes principais, isso qualquer um pode perceber. E digo mais, essa discussão só aconteceu porque no lugar de reconhecerem o erro quando o mesmo foi apontado ficaram tentando justificar.
      Sem mais.

  • Pibid Uel

    Artigo muito bom.
    Um outro dado interessante a considerar é o número de resultados que surgem no Google quando pesquisamos por “Ubuntu” ou “Fedora” ou outra distro qualquer.

  • Pibid Uel

    Artigo muito bom.
    Um outro dado interessante a considerar é o número de resultados que surgem no Google quando pesquisamos por “Ubuntu” ou “Fedora” ou outra distro qualquer.

  • Guest

    O Unity foi claramente um divisor de águas nessa “nova era” Linux, uso ele desde o lançamento, embora no começo foi meio tenso por causa da perfomance e dos bugs, mas só o efeito Dodge + Global menu, focando mais na aplicação me conquistaram.

    Na ultima versão 12.04 o HUD me surpreendeu, no começo sequer achei que seria util, e cheguei a desativar o mesmo, até que um dia tive de usar o gimp para fazer uma montagem.
    Eis que uma hora precisava utilizar o efeito “enevoar”, mas nao fazia ideia de onde ele estava e não o encontrava de jeito nenhum no meio dos menus, eu estava quase abrindo o navegador somente para ir pesquisar onde ele ficava quando lembrei do HUD, imediatamente o ativei, apertei alt, quando digitei “ene” ele ja me mostrou.

    Enfim, o que quero dizer é que o Unity sim, pode parecer meio estranho a primeira vista, mas com o uso você percebe que ele oferece muito mais do que um simples dock a esquerda da tela…

  • Diêgo Damohill Castro Lemos

    O Unity foi claramente um divisor de águas nessa “nova era” Linux, uso ele desde o lançamento, embora no começo foi meio tenso por causa da perfomance e dos bugs, mas só o efeito Dodge + Global menu, focando mais na aplicação me conquistaram.

    Na ultima versão 12.04 o HUD me surpreendeu, no começo sequer achei que seria util, e cheguei a desativar o mesmo, até que um dia tive de usar o gimp para fazer uma montagem.
    Eis que uma hora precisava utilizar o efeito “enevoar”, mas nao fazia ideia de onde ele estava e não o encontrava de jeito nenhum no meio dos menus, eu estava quase abrindo o navegador somente para ir pesquisar onde ele ficava quando lembrei do HUD, imediatamente o ativei, apertei alt, quando digitei “ene” ele ja me mostrou.

    Enfim, o que quero dizer é que o Unity sim, pode parecer meio estranho a primeira vista, mas com o uso você percebe que ele oferece muito mais do que um simples dock a esquerda da tela…

  • Diêgo Damohill Castro Lemos

    O Unity foi claramente um divisor de águas nessa “nova era” Linux, uso ele desde o lançamento, embora no começo foi meio tenso por causa da perfomance e dos bugs, mas só o efeito Dodge + Global menu, focando mais na aplicação me conquistaram.

    Na ultima versão 12.04 o HUD me surpreendeu, no começo sequer achei que seria util, e cheguei a desativar o mesmo, até que um dia tive de usar o gimp para fazer uma montagem.
    Eis que uma hora precisava utilizar o efeito “enevoar”, mas nao fazia ideia de onde ele estava e não o encontrava de jeito nenhum no meio dos menus, eu estava quase abrindo o navegador somente para ir pesquisar onde ele ficava quando lembrei do HUD, imediatamente o ativei, apertei alt, quando digitei “ene” ele ja me mostrou.

    Enfim, o que quero dizer é que o Unity sim, pode parecer meio estranho a primeira vista, mas com o uso você percebe que ele oferece muito mais do que um simples dock a esquerda da tela…

  • Diêgo Damohill Castro Lemos

    O Unity foi claramente um divisor de águas nessa “nova era” Linux, uso ele desde o lançamento, embora no começo foi meio tenso por causa da perfomance e dos bugs, mas só o efeito Dodge + Global menu, focando mais na aplicação me conquistaram.

    Na ultima versão 12.04 o HUD me surpreendeu, no começo sequer achei que seria util, e cheguei a desativar o mesmo, até que um dia tive de usar o gimp para fazer uma montagem.
    Eis que uma hora precisava utilizar o efeito “enevoar”, mas nao fazia ideia de onde ele estava e não o encontrava de jeito nenhum no meio dos menus, eu estava quase abrindo o navegador somente para ir pesquisar onde ele ficava quando lembrei do HUD, imediatamente o ativei, apertei alt, quando digitei “ene” ele ja me mostrou.

    Enfim, o que quero dizer é que o Unity sim, pode parecer meio estranho a primeira vista, mas com o uso você percebe que ele oferece muito mais do que um simples dock a esquerda da tela…